Autoridade Espiritual

imagem de Flávio Cardoso
Versão para impressãoVersão para impressão

Introdução

Nas últimas lições, estudamos vários temas relacionados ao crescimento e conduta daqueles que professam a fé em Cristo. Neste estudo, trataremos sobre o tema Autoridade Espiritual, abordando seus fundamentos, conceitos e, em especial, sua implicação prática em nossas vidas.

A Bíblia nos diz em Romanos 10:9 que "se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo". Esse texto nos fala de duas grandes condições para nos apropriarmos da bênção da salvação: é preciso crer, mas também é preciso nos sujeitarmos ao senhorio de Cristo sobre nós. Precisamos nos submeter à sua autoridade, negar a nós mesmos, segui-lo e servi-lo com todo o nosso ser.

Se queremos fazer parte do corpo de Cristo e nos engajarmos em sua obra, precisamos nos submeter ao seu governo e à sua autoridade. Esse é o grande desafio que Deus tem nos colocado. O pecado de Adão e Eva foi justamente nessa área. A serpente os convidou a provar uma vida independente de Deus, uma vida na qual eles poderiam dirigir seus próprios passos, à revelia do que o Criador havia planejado para eles, e o resultado dessa história, todos já sabemos: separação e tristeza.

Engana-se quem acredita que uma vida com Cristo é uma vida de liberdade absoluta. A palavra nos ensina em Gálatas 5:1 que "Para a liberdade foi que Cristo nos libertou", mas esse texto deve ser entendido à luz de todo o contexto narrado pelas Escrituras. Em Romanos 8:21 encontramos que "a própria criação será redimida do cativeiro da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus". Disso, podemos perceber que a liberdade que Cristo nos dá é em relação a alguma escravidão que nos aprisiona. Agora vamos completar o quadro à luz de Romanos 6:16 (NVI): "Não sabem que, quando vocês se oferecem a alguém para lhe obedecer como escravos, tornam-se escravos daquele a quem obedecem: escravos do pecado que leva à morte, ou da obediência que leva à justiça"?

Estávamos escravizados pelo pecado (João 8:34), mas, ao conhecermos a graça salvadora de Jesus, tivemos a oportunidade de ser livres desse jugo. Para isso, porém, precisamos nos submeter a outro jugo, um jugo suave, leve, que nos conduz à vida (Mateus 11:30). Jesus nos libertou, para que pudéssemos ser seus escravos (Romanos 6:18; I Coríntios 7:22). Não sejamos, então, como aqueles de quem a Bíblia nos fala na epístola de Judas, no verso 4, que "... transformam em libertinagem a graça de nosso Deus...", os quais "não só contaminam a carne, como também rejeitam governo e difamam autoridades superiores" (v. 8).

Princípio divino

Deus é autoridade em si mesmo, e tudo que no mundo existe é sustentado pela palavra do poder de sua autoridade (Hebreus 1:3). Nada sobrepuja a autoridade de Deus no universo. O Salmo 22:28 nos ensina que "do SENHOR é o reino, é ele quem governa as nações". No Salmo 113:4 encontramos que "Excelso é o SENHOR, acima de todas as nações, e a sua glória, acima dos céus". A sua autoridade está sobre tudo e sobre todos, e toda a terra submete-se ao seu governo, querendo ou não.

Como rei e soberano, Deus deseja a submissão de seus filhos a Ele. Ao contrário do que muitos pensam, seu prazer não está em sacrifícios ou ofertas, mas na atitude de obediência demonstrada por seus filhos:

"Tem porventura o Senhor tanto prazer em holocausto e sacrifícios quanto em que se obedeça a sua palavra? Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar, e o atender melhor do que a gordura de carneiros." (I Sm 15:22).

Autoridade delegada

"Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas." (Romanos 13:1)

Esse texto, em coro com vários outros das Escrituras, nos ensina que toda autoridade terrena é provida e delegada por Deus. A palavra de Deus diz que o Senhor "remove reis e estabelece reis" (Daniel 2:21). O próprio Senhor Jesus nos deu exemplo de submissão à autoridade do governo. Diante de Pilatos, disse: "Nenhuma autoridade terias sobre mim, se de cima não te fosse dada" (João 19:11). Certa vez, quando interrogado sobre a questão do tributo, respondeu: "Dai a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus" (Lucas 20:25).

Vivemos numa época de rebelião à autoridade. Quem é contra a autoridade estabelecida por Deus, resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão condenação sobre si (Romanos 13:2). Nós, filhos de Deus, devemos honrar as autoridades reconhecendo que elas são constituídas por Deus (I Pedro 2:17, Tito 3:1). Nosso papel nunca deve ser o da rebeldia, mas de verdadeiros intercessores diante do Senhor, para que ele faça justiça por meio das autoridades. Todavia, o ensino bíblico é que a obediência às autoridades não deve permanecer quando essa se mostrar contrária à autoridade direta de Deus: "Antes importa obedecer a Deus do que aos homens" (Atos 5:29).

Deus delega autoridade em todas as áreas da vida

O princípio ensinado pelas Escrituras é que Deus estabeleceu uma cadeia de autoridade na terra. Isso não é verdade apenas no que se refere à autoridade governamental, mas em todas as áreas de nossa vida.

Vejamos alguns textos bíblicos que confirmam essa afirmação:

  • Civil: Romanos 13:1-3; II Pedro 2:10; Judas 8;
  • Trabalho: Efésios 6:5-7; Tito 2:9-10; I Timóteo 6:1-2;
  • Família: Efésios 5:22-24; 6:1-4;
  • Igreja: I Coríntios 12:28; Hebreus 13:7,17.

Autoridade delegada na Igreja

A igreja de Cristo é governada por Cristo. Não existe democracia na igreja, porque a igreja não é do povo, é de Deus. O que existe é a teocracia: o governo de Deus exercido diretamente, por Sua Palavra, e também por meio de suas autoridades delegadas.

Em Efésios 4:11-12 nos é dito que "Ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo". Veja que o texto é bem claro: essas autoridades não foram estabelecidas por homem algum, mas pelo próprio Deus, para o governo da sua igreja e a edificação do seu corpo.

Toda liderança da igreja deve ser balizada pela Palavra de Deus (João 15:10; Gálatas 1:8; Colossenses 3:16-17). Além disso, como vimos, Deus também colocou na igreja pessoas com posição de autoridade, sobre as quais está a responsabilidade pela condução do rebanho de Cristo. A Bíblia nos revela que temos que nos submeter a esses líderes com temor e máxima consideração, sabendo que foram eleitos por Deus para nos apascentar e cuidar de nossa saúde espiritual.

Vejamos alguns textos bíblicos que nos falam sobre isso: Atos 2:42; Atos 15; I Tessalonicenses 5:12-13; II Tessalonicenses 3:4,6,10,12; I Coríntios 16:15-16; Tito 1:5; Efésios 4:11-12, I Timóteo 5:17; Hebreus 13:7,17.

Devemos, portanto, estar submissos a essas pessoas, sempre orando por elas, para que possam exercer com excelência o ministério que Cristo lhes outorgou (Hebreus 13:18; II Tessalonicenses 3:1; Colossences 4:3).

Cobertura Espiritual

Como vimos, estar submisso a Deus é condição primeira para que possamos ser úteis em sua obra. Mas, como demonstrado, a submissão a Cristo engloba a submissão às autoridades espirituais instituídas por Ele. Tentar fazer a obra de Deus fora dessa cadeia de comando é um grande erro no qual muitos têm caído.

Em Romanos 10:15, Paulo questiona: "como pregarão se não forem enviados?". O próprio Paulo, no início de seu ministério, submeteu-se à autoridade da igreja, pois partiu para suas viagens missionárias após receber o chamado de Deus, confirmado pelo comissionamento da igreja de Antioquia (Atos 13:2-3).

Quem quiser se aventurar nessa área, sem o envio da igreja, pode ter o mesmo fim dos filhos de Ceva, narrado em Atos 19:13-17, os quais foram ridicularizados pelo inimigo, pois não tinham sobre si a autoridade do corpo de Cristo.

Conclusão

Estar submisso à autoridade de Cristo não significa perder nossa vida ou nossa personalidade. Muito pelo contrário, é o próprio Senhor Jesus quem nos afirma que, "quem perder a vida por minha causa achá-la-á" (Mateus 16:25).

Submissos a Cristo e inseridos em sua cadeia de autoridade, estamos seguros, guardados por ele, certos de que não mais seremos escravos do pecado. Temos a certeza de que seu jugo é suave, e seu fardo é leve, lembrando sempre que "Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes" (Tiago 4:6).

Questões para debate

Gostaria de propor algumas questões para serem debatidas no Grupo de Vida.

  1. A Palavra de Deus afirma que Jesus nos delegou autoridade para pisarmos "sobre cobras e escorpiões, e sobre todo o poder do inimigo", sem que isso nos cause dano (Lucas 10:19). Essa autoridade não seria a continuação da "cadeia de autoridade" que mencionamos acima?
  2. Suponha que uma liderança da igreja nos ordene que façamos algo. Como deveríamos proceder se:
    • o que foi ordenado é contrário ao que diz a Bíblia?
    • o que foi ordenado é de acordo com o que diz a Bíblia?
    • aparentemente, a Bíblia não fala nada acerca do que foi ordenado?

Comentar

  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <it> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <h1> <h2> <h3> <blockquote> <span> <p> <p style="text-align: right;"> <br> <table> <address> <pre> <hr>
  • Você pode escrever código PHP. Basta incluir as tags <?php ?>.

Mais informações sobre as opções de formatação

Theme by Danetsoft and Danang Probo Sayekti inspired by Maksimer